Cozido de cascas e butelo: a receita da Justa Nobre

Dois butelos diferentes.

 

Há cozidos em todo o mundo, eu sei. Mesmo no nosso país, há vários. o que os distingue verdadeiramente é a origem dos ingredientes já que estes em si são semelhantes, mais aves ou mais vaca, mais ou menos leguminosas, mais ou menos couve. O barrosão, que leva carnes fumadas,  será talvez o mais particular. Mas mesmo diferente é o cozido de cascas ou casulas com butelo. Há várias maneiras de o fazer: há quem coza todos os ingredientes juntos e quem os coza separadamente. Há quem junte chouriças de sangue e linguiças, há quem o enriqueça com entrecosto e entremeada.

Quem me ensinou a fazê-lo foi a Justa Nobre, que explica tudo objectivamente, como nós mulheres gostamos. É um prato de Inverno, mas não pesado. Sobretudo é um prato inteligente que recorre a ingredientes sujeitos a diversas formas de conservação; o fumo e a secagem. As cascas ou casulas não são mais que uma forma de conservar o feijão para o resto do ano através da secagem das vagens, aprisionados os feijões no seu interior. O butelo, ou butielo, ou bulho ou chouriça de ossos é um enchido considerado inferior, porque aproveita a parte da espinhela (suã) com saborosas e texturosas carninhas que a esta vêm agarradas. Mas não fica por aqui o aspecto exótico deste enchido: a embrulhá-lo, usa-se o estômago ou bucho e até a bexiga, o que lhes confere forma invulgar pontuada pelas excrescências dos ossinhos. Garanto a quem não provou que é delicioso, sobretudo se não estiver abusado de colorau.

Mas aqui vai a receita, facílima, para fazer num fim-de-semana.

 

As cascas ou casulas de molho.

 

 

Butelo com cascas

 

500 g de cascas ou casulas para 1 butelo grande

300 g de entremeada e entrecosto ou 1 linguiça 

8 batatas

azeite virgem extra transmontano

 

1) Põem-se as casulas de molho de véspera. Há quem aproveite a água, mas os prós e contras são os mesmos da feijoada. Se possível, catar o maior número de fios do feijão.

2) No outro dia contar com 2 horas para toda a confecção. Começar por pôr o butelo a cozer na água a ferver. Esta operação irá demorar, no mínimo, 1 h 30 m.

3) Noutro tacho, ferver água com sal e deitar as cascas escorridas. A cozedura das cascas verifica-se também através dos feijões. Em geral, esta cozedura demora pouco mais de 1 hora.

4) Cozer também entrecosto e entremeada cortadas em pedaços juntamente com batatas.

5) Escorrer tudo e servir bem quente regado com um azeite transmontano. 

 

Faltou aqui uma boa batata transmontana.

conversasamesa às 11:39 | link | comentar | partilhar | favorito