Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Conversas à Mesa

Caldo verde em Naples e jantar no Delano

Este restaurante de Naples servia Portuguese potato and kale soup, o nosso CALDO VERDE.

 

O hotel Delano, exemplo de art déco.

 

Vale a pena ir a Naples, situada no golfo do México, do lado de lá dos Everglades. É uma vila que respira classe média bem alta, parecida com as que se vêem no Connecticut, a norte de Nova Iorque. Estas terras têm sempre boas galerias de arte, em geral com exposições de artistas locais, uma enorme livraria, propriedade de uma velhinha com ar bom e intelectual, que também vende chocolate chip cookies feitos em casa e café expresso, e muitas lojas de arteseinarices que vendem camisas de linho branco com baraços de ráfia que custam centenas de dólares. Naples tem outras mais-valias. Uma delas é a praia de areia branca e águas calmas, onde estive a ver o pôr-do-sol.

 

 

Pôr-do-sol na praia de Naples.

 

Outra é a third street, bordejada de lojas e cafés chiquérrimos. Qual não é o meu espanto quando no menu de um deles leio escrito a giz: Portuguese potato and kale soup, ou seja, o nosso caldo verde. Espantoso, não é? 

 

 

 

As cortinas brancas da casa de jantar.

 

A casa de jantar pequena.

 

Para almoçar ou jantar, mais à séria ou mais leve, vale a pena ir ao Blue Door Fish, do Claude Trois Gros, a terceira geração na cozinha, instalado no Brasil. Quando fui ao Delano, em Julho de 2011, gostei imenso do décor da casa de jantar (Philippe Stark), sobretudo da combinação das cortinas brancas com os espelhos venezianos, que reflectem o tipo de cozinha. Gostei sobretudo do prato de atum (ver foto), sendo que todo a carta é rica em peixe e marisco. 

 

 

 

O atum.


No bar.


A third street de Naples.