Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Conversas à Mesa

ENTRE O CÉU E A RIA EM AVEIRO

 

 

 

Nos últimos dias tenho andado qual Tony Carreira de terra em terra por todo o país. Não em tournée cantante, mas em sessões de autógrafos nas estacões dos CTT, promovidas por equipas de pessoas extraordinárias, quer em termos humanos quer profissionais. Uma dessas sessões decorreu em Aveiro, que aproveitei para visitar no pouco tempo livre que tinha. A cidade está lindíssima, os canais bem aproveitados pelos barcos turísticos. Ideal para se andar a pé ou de bicicleta. A cidade está cheia de tesouros.

 

 

  Os canais da Veneza Portuguesa

 

 

 A brejeirice marítima


 







 





Um deles é sem dúvida o museu de Art Déco, que importa visitar, aproveitando para lanchar na preciosa casa de chá que aí se abriga.   

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 



E depois, claro, está na altura de comprar uma caixa (há as 250 g, as de meio quilo e as de quilo) de ovos moles. Vamos à casa mais conhecida, a célebre pela garagem das velhinhas, cujo nome verdadeiro é Maria da Apresentação da Cruz. Fundada em 1882 com receita do Convento de Jesus, situa-se por trás da igreja de Vera Cruz, numa porta de garagem branca encimada pelo respectivo letreiro. É difícil estacionar carro.

Foi assim que comecei o meu post anterior sobre esta matéria e reitero: "Perdoem-me a bem intencionada blasfémia, mas se as hóstias da Eucaristia tivessem recheio de ovos moles de Aveiro, a Igreja Católica não estaria decerto com falta de presenças na missa. São um dos melhores doces feitos com ovos, talvez pela simplicidade absoluta da utilização de dois produtos apenas: gemas e açúcar, havendo quem lhes junte uma pitada de canela no fim. Não falando claro nas eventuais aldrabices que lhe introduzem farinha de arroz ou água da sua cozedura, para lhe aumentar o rendimento e a espessura textural. Segredos parece haver apenas dois: os ovos moles nunca se devem mexer em círculo, mas sempre em linhas direitas, de um lado para o outro, e a paciência deve ser em grande quantidade para não apressar o doce. Parece impossível como se pode chegar ao céu com tão pouco." 

 

 

 

 

 

 

 





Barriquinhas e caixas de vários tamanhos e as preciosas gemas.


 



 

Porém, aqui na garagem das Velhinhas, não se fique pelos ovos moles e compre um bom carrego de bolos de gema, muito bem feitos, muito bem glaceados e com o tamanho ideal.

 

Os ovos moles são perfeitos,  O que ali se faz é o recheio de ovos moles, seguidamente colocado na hóstia moldada, no interior de umas formas. Em seguida, a hóstia recebe calda de açúcar fraca, que a torna mais opaca e forte.

A hóstia, essa, vem já moldada em folhas da pequena fábrica da Dona Carmina, autorizada a fornecer as casas DOP  de ovos moles.





 

 

 


 

As várias "velhinhas" que deram nome à casa

 




Fui bater à porta da Dona Carmina, levada pela curiosidade de ver moldar as folhas de hóstia, mas a inflexível senhora recusou-me a entrada na fabriqueta ( instalada num rés-do-chão de um prédio), argumentando com um inexplicável secretismo do ofício. Quem tenha curiosidade em saber como se processam estas coisas é dirigir-se à Oficina do Doce. Lá podem ver-se filmes e até pessoas a trabalhar no ofício. 




 

 



 

Saiba também que se quiser trazer carregos extra de ovos moles, pode congeal-los durante 3 meses sem que se note a minima alteração. Descongele-os lentamente no frigorífico. E já agora experimente não os descongelar e comer gelado de ovos moles.

 

Horário dos ovos moles: de segunda a sábado das 9h às 20 h e domingos das 9h30 às 15 h.  (veja o site http://m1882.com/130-deliciosos-anos)

 

Sobre ovos moles, veja também neste blog : http://conversasamesa.blogs.sapo.pt/15903.html 

2 comentários

Comentar post