Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Conversas à Mesa

COMER BEM NO ALTO ALENTEJO

 

IMG_4324.jpg

 

Se podemos dizer que cada região de Portugal tem a sua boa comida, a cozinha do Alentejo é certamente uma das mais desafiantes. Baseia-se em poucos ingredientes base, muitas ervas aromáticas e plantas silvestres, sazonalidade e muito engenho. Nada mais complicado que uma cozinha descomplicada: ou se acerta na mouche ou é para esquecer. Ou se tem mão ou é uma desgraça. Outra coisa essencial na cozinha alentejana, mais do que em qualquer outra das nossas, é usar ingredientes locais. Se já os não há, estimulem-se os produtores a produzirem-nos, façam-se parcerias, garantam-se consumos e, claro, criem-se cartas sazonais que vão acompanhando essa produção.

Mas hoje estou aqui para vos indicar três restaurantes no Alto Alentejo de que muito gosto, cada um por razoes diferentes. Sobre dois deles já escrevi aqui no blog no mês passado, por isso limito-me a deixar os links.

O primeiro foi o Quiosque da Relva, com uma situação fantástica na zona ribeirinha de Ponte de Sor, e com esplanada sobre a ribeira de Sor. O chef é o António Prates.

https://conversasamesa.blogs.sapo.pt/escapadinha-em-ponte-de-sor-comer-194440

 

O segundo é o novo Páteo Real, à frente dele está o chef Filipe Ramalho, recém saído de 7 anos em Torre de Palma. Tem uma esplanada enorme, parte debaixo de chapéus, parte debaixo de telheiro. Há também um bar exterior. Fica em Alter do Chão.

 

https://conversasamesa.blogs.sapo.pt/o-novo-pateo-real-de-filipe-ramalho-195966

IMG_4262.jpg

IMG_4260.jpg

 

IMG_4256.jpg

IMG_4255.jpg

 

O terceiro restaurante é o Segredo d’Alecrim, em Fronteira. É uma casa lindíssima, situada num largo ao lado da igreja. Decoração primorosa, distribuída por várias confortáveis salinhas. Os proprietários são dois irmãos, Sílvia e Zé Brito Machado que reabilitaram um edifício no centro histórico de Fronteira, mas mantiveram a sua traça original. Em baixo o restaurante e a agradável esplanada. Em cima, um pequeno hotel.

No restaurante, a destacar logo à cabeça, o óptimo serviço, muitas vezes difícil de encontrar na restauração em geral, e em particular em zonas mais remotas do país. Um bom serviço, profissional e cortês permite que logo à partida nos sintamos bem recebidos e confortáveis.

A começar a refeição, boa tábua de enchidos com quatro variedades locais, todos eles bons. Apresentação cuidada. Depois uma sopa de tomate com ovo, de parceria com pão de textura densa e enchidos. A sopa é saborosa, tradicional, e ao mesmo tempo elegante.

Seguiu-se um prato que aconselho todos os potenciais clientes a não perderem: os ovos rotos com bacalhau. Uma espécie de bacalhau à Brás mais rústico. A batata bem frita e com o tamanho certo, os ovos com a clara bem cozida e a gema cremosa (uma arte, estrelar assim os ovos), com o pormenor de serem moldados. Mas a pièce de resistence é o creme que lhes subjaz e que lhes empresta cremosidade e sabor. Eu gosto muito de bacalhau à Brás, mas confesso que o trocava por estes ovos rotos com bacalhau num piscar de olhos.

Para terminar a refeição, atraiu-me a típica boleima de torresmo, cheia de Alentejo.

O que me saltou mais à vista e ao palato, é a forma elegante como todos os pratos são tratados, mesmo quando são de teor rústico.

O Segredo d’Alecrim é um restaurante que vale a pena um desvio, ainda que de bastantes quilómetros.

73b7d577-ea4f-4772-8df8-a17d660476b0.jpg

Couvert

 

 

1a56ee03-243a-4f87-aaf0-7223cfed1569.jpg

Tábua de enchidos

 

c0575175-8590-400e-9320-3bff06e1eda3.jpg

Sopa de tomate com enchidos

 

d4dc85da-2ade-4bd7-8380-f44539cd46cd.jpg

 

 

 

 

IMG_4324.jpg

Ovos rotos com bacalhau

 

 

e5ce6ffa-55d1-43fe-9271-ddce03bd2346.jpg

Boleima

Segredo d’Alecrim

Largo Mal. Carmona 21, 7460-109 Fronteira

Tel: 245 609 132

Fecha domingos ao jantar e segundas feiras