Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Conversas à Mesa

GRÃO A GRÃO SE CONSTRÓI O BAGOS

IMG_3899.jpg

 

 

 

 

Há hoje uma moda em redor de restaurantes que estrelam um determinado produto, sejam eles de fast food ou de topo. Há-os de ostras, de ovos, de caviar, de aves ou de lagosta.

Cá pela nossa terra, fazia todo o sentido escolher o arroz como produto base deste conceito, já que somos um povo de arrozeiros. Com um consumo médio de 17 kg anuais, ultrapassamos até a Itália, porque o usamos como prato principal e como acompanhamento. Adoramos os nossos típicos e únicos arrozes malandros, a quem carinhosamente chamamos pelo diminutivo malandrinhos. Juramos pelo arroz-doce e pelo bolo de arroz. Não dispensamos os conúbios do arroz com o tomate, os grelos ou o feijão. Herdámos esse gosto dos árabes, responsáveis pela sua introdução na península Ibérica. Por outro lado, o arroz tem a vantagem de ser um hidrato sem glúten, portanto adequado a todos aqueles que são intolerantes a esta mistura de proteínas.

 

 

IMG_3883.jpg

 

Fitas de massa de arroz da ementa de almoço

IMG_3903.jpg

Um fantástico arroz a acompanhar a carne de porco da ementa do almoço

 

IMG_3886.jpg

 

Entrada: Aveludado de galinha com amêndoas torradas

 

 

 

IMG_3890.jpg

 

Entrada: niguiri de bacalhau

 

 

 

IMG_3911.jpg

 

IMG_3920.jpg

 

A sobremesa: arroz-doce em cheesecake com um magnifico licor de arroz dos Açores 

 

 

Foi o que afortunadamente fez Henrique Mouro no seu novo restaurante, Bagos, no Chiado (where else!!!). Toda os pratos da carta, das entradas às sobremesas, contêm arroz. Após um jantar e um almoço no Bagos o que me tocou mais foi o modo inteligente, deliciosamente variado e harmónico como o Henrique introduz o arroz em todos estes pratos, sejam eles um elegante aveludado de galinha com amêndoas torradas espessado com farinha de arroz, numa orientalizante massa de fios, um equilibrado niguiri de bacalhauou num soufflé. Ao longo de uma refeição de 3 ou 4 pratos, o arroz aparece de modos tão criativos que a sua presença nunca se torna repetitiva. O que recordo, e muito bem, das duas refeições é o extraordinário sabor e a complexidade. Camadas de sabores que se sobrepõem e combinam sem se anularem. Na minha memória ficaram todos gravados, sobretudo o de cabidela.

Os diversos pratos com o omnipresente arroz recebem influências de diversas partes do mundo e casam com produtos exógenos, mas por todos eles perpassa o espírito português, porque é essa a inspiração da cozinha do Henrique Mouro. Este chef caracteriza a sua cozinha como simples, mas todos os pratos que provei são de uma grande complexidade e profundidade de sabores.

Depois de ter saído do Assinatura e de ter estado fora de cena durante algum tempo, é bom ver este grande cozinheiro à frente deste original restaurante cujo tema, o arroz, tem um grande significado emocional para nós portugueses.

Ah, e há outra boa notícia: duas ementas de almoço, uma a 12 euros (entrada ou sobremesa e prato principal) e a outra a 15 euros (entrada, prato principal e sobremesa). Ao jantar, os pratos principais andam entre os 16 e os 22 euros. Um palavra elogiosa para uma boa lista de vinhos, muito bem elaborada.

O Bagos é o Henrique Mouro na sua melhor forma. E que forma...

 

IMG_3762.JPG

 

Pera com cozida em vinho branco com creme de arroz 

 

IMG_3725.JPG

IMG_3739.JPG

 

 

Bagos 

Rua Antonio Maria Cardoso, 15B, Chiado, Lisboa 

Telefone: 213420802

 

(Quem quiser saber mais sobre arroz, veja aqui no blog).

 

 

 

 

1 comentário

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.