Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Conversas à Mesa

SARRDINHA, CHOCO FRRITO E MUITO MAIS

Barradas-70©MárioCerdeira.jpg

 

 

Setúbal começa hoje a ser um bom local para comer. Pertíssimo de Lisboa, a cidade tem a sua principal artéria, a Luísa Todi, polvilhada de restaurantes agradáveis. Já vos falei aqui da Ribeirinha do Sado, imperdível para comer os carapaus manteiga por alturas do Verão. Hoje falo-vos de um local diferente que ultrapassa o simplesmente típico sem perder a autenticidade.

Imagine um local onde pode comer o choco frito típico de Setúbal, feito com o molusco fresco panado em farinha de milho e com um molho de azeite e alho, o marisco fresco que dificilmente encontra noutros locais, uma caldeirada à moda da terra feita com peixes comprados nesse dia no Mercado do Livramento ou um niguiri de sardinha. Esse restaurante existe e chama-se Zagaia.

A chefiar a cozinha está o Luís Barradas, um filho da terra com formação em cozinha japonesa e praticante convicto de uma verdadeira cozinha de mercado, sendo o Mercado o do Livramento, onde se abastece de peixe e marisco e de certas especialidades vegetais com os pequenos produtores locais. Foi ali que Barradas comprou os quatro peixes sem escamas para a caldeirada à setubalense que fez parte do meu almoço: raia, charroco, safio e pata-roxa. Batata e tomate completavam a lista de ingredientes. A feijoada também é sempre de provar.

Assim como uma amostra da montra dos mariscos. Para quem nunca provou, o que era o meu caso, é de rigueur experimentar uns bichos muito feios, com ar de louva-a-deus que vivem na areia e enganam os inimigos fazendo-os crer que o rabo é o lado da cabeça. Chama-se zagaias e são elas que dão o nome ao restaurante. Não têm muito mais a oferecer para além destas características.

Já o mesmo não se pode dizer das zamburinhas, bivalves semelhantes a vieiras, com textura amanteigada. O peixe do mar é sempre fresquíssimo. E, no meu caso, nunca deixo de fazer uma perninha no lado do sushi e do sashimi, sendo-me difícil resistir aos niguiris de sardinha. É preciso provar para perceber a minha fixação.

A lista é vasta e saborosa, dando oportunidade de partilhar vários pratos. Tudo é extremamente bem cozinhado, com o toque do Luís Barradas. Devo confessar que tudo o que comi pela mão dele atiça o meu desejo de voltar. Depois de duas idas ao Zagaia, já estou a planear a terceira.

 

Obrigada ao Mário Cerdeira pelas lindíssimas fotos.

 

Zagaia

Avenida Luisa Todi, 510, Setúbal

Tel: 
26 5404111
937172255

 

 

 

Barradas-25©MárioCerdeira.jpg

Barradas-26©MárioCerdeira.jpg

Couvert

 

Barradas-27©MárioCerdeira.jpg

Barradas-31©MárioCerdeira.jpg

A montra, com as zamburinhas no centro

 

Barradas-24©MárioCerdeira.jpg

Salada de bacalhau

 

Barradas-36©MárioCerdeira.jpg

As zagaias, com o lado da cabeça virado para nós

 

 

Barradas-38©MárioCerdeira.jpg

Choco frito, feito com choco fresco e panado em farinha de miho bem crocante

 

 

 

 

Barradas-41©MárioCerdeira.jpg

Barradas-43©MárioCerdeira.jpg

Uma ostra com 3 anos de vida: Luís Barradas dá-nos a provar a ostra dividida em várias partes, cada uma delas com texturas e sabores bem diferentes, desde o músculo adutor às brânquias, passando pelo pé

 

 

Barradas-52©MárioCerdeira.jpg

Niguiri de sardinha

 

 

Barradas-57©MárioCerdeira.jpg

Zamburinhas

 

IMG_5815.jpg

Magníficas pataniscas de raia seca

 

 

IMG_5844.JPG

Feijoada de samos e línguas de bacalhau, a não perder sob nenhum pretexto 

 

 

Barradas-75©MárioCerdeira.jpgA caldeirada, que se torna indispensável para futuras idas

 

Barradas-76©MárioCerdeira.jpg

Requeijão com frutos secos crocantes e gelado de noz

 

Barradas-77©MárioCerdeira.jpg

 

Pêra com gelado de queijo de Azeitão e bolacha da Piedade 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.